quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Fotos antigas de Cajati - 1991

https://www.youtube.com/watch?v=kUXY9rGjkxk

DE COPO CHEIO E CORAÇÃO VAZIO

Analisando com um pouco mais Estava numa festa com amigos e, dentre tantas músicas que tocavam, ouvi uma cujo refrão dizia:“De copo sempre cheio e coração vazio, ‘tô’ me tornando um cara solitário e frio”. Até então, nada fora do comum; uma música amplamente conhecida no cenário nacional como tantas outras que haviam tocado e outas que viriam a tocar. Contudo, num posterior momento de observação, pude notar o quanto aquela letra era cantada com propriedade pelas pessoas que ali estavam, inclusive por mim, talvez pelo grande sucesso que a referida música tem feito atualmente. Mas será que é só isso?de profundidade, não é difícil concluir que, em alguns aspectos, essa música reflete a realidade de muitos que, de fato, encontram-se de “copo cheio e coração vazio”. Não quero, entretanto, reduzir tal reflexão a uma questão meramente afetivo-emocional, como sugere a canção, seria muito pouco diante do que realmente podemos questionar.

Para início de conversa, por meio da metáfora do “copo cheio”, gostaria de fazer alusão a tudo o que toma nosso tempo, nossa energia, emoção e atenção, “esvaziando nosso coração”. Agendas, cabeças e vidas cheias, e por que não o “copo cheio” literalmente? Muitos problemas, compromissos, projetos, promessas, desilusões e expectativas acabam por nos tomar de quem realmente somos. O barulho e tamanha movimentação de uma vida cheia são um ótimo esconderijo para quem foge do encontro consigo; daí, torna-se comum encher-se de coisas, a fim de adiar esse encontro. Ostentam-se rotinas agitadas, vidas sociais badaladas, luxo, baladas, currículos, influência, corpos esculturais e notoriedade; mas e o coração, como está? Essa é a questão! Quem é e como está a pessoa por trás de tudo isso?

Em tempos de total exposição de nossas vidas nas diversas redes sociais, nas quais fazemos nada mais nada menos que uma autopromoção de nossas personas, questiono-me: Somos quem e o que ostentamos? Parafraseando Antonie de Sain-Exupéry em ‘O Pequeno Príncipe’, que diz “o essencial é invisível aos olhos”, levanto a questão: O que nos é essencial? O que determina, de fato, a essência do que somos? O que apresentamos: nossa verdade ou uma personagem de fácil aceitação geral?

Na condição de filhos de Deus, somos criados à imagem e semelhança do Amor e para Ele vivemos. Em Sua busca nos encontramos desde o momento em que nos entendemos por gente. Cada um buscando da sua forma, com o seu jeito, usando do livre-arbítrio a nós concedido para alcançar essa meta, o que me leva à conclusão de que nosso coração se preenche à medida que nos aproximamos daqueles nos “devolvem” a nós mesmos e, consequentemente, aproximam-nos de Deus.

Na minha opinião, a verdadeira ostentação é ter ao nosso lado pessoas que nos aceitam, acolhem e amam por quem somos de fato, que marcam presença nas tempestades, quando o “copo” está quase transbordando; pessoas que, mesmo diante de nossos defeitos, preenchem nosso coração e nossa vida. A verdadeira ostentação é ter ao nosso lado alguém que nos conduz a Deus.
“copo cheio e coração vazio” é uma metáfora para dizer que há quem procura encher-se de coisas a fim de adiar um encontro consigo mesmo
Por Higor Brito

Mais um motivo pra não se importar com o que as pessoas dizem.

“As pessoas admiram suas qualidades em silêncio, e julgam seus defeitos em voz alta.” Parece só mais uma frase de efeito, mas, no fundo, essa frase demonstra uma correspondência assustadora com a realidade.
É que a crueldade com que as pessoas costumam julgar umas às outras é o que me faz achar metade do mundo uma droga – e é do que você deve se lembrar da próxima vez em que pensar em se importar com os comentários negativos que fizerem ao seu respeito: as pessoas são cruéis.

Não todas, calma lá. Esta que vos fala gosta de blues, de café e de gente – até demais. Porque existe gente boa. Gente com energia boa, com palavras doces, com gestos bonitos e ataques de gentileza que fazem do mundo um lugar minimamente adequado pra se viver.

Mas, como nem tudo são flores, há as pessoas que tentam te diminuir quando você cresce. As que elogiam seus pontos fracos para que você não evolua. Que mascaram seus defeitos para que você não preste atenção neles – como se isto fosse possível – mas os superestimam na sua ausência, os gritam para o mundo. Os acendem com luz neon para que todos vejam o quanto eles são terríveis, enquanto te diz, com um sorriso falso no rosto, que tudo vai bem. Que você não precisa se preocupar. Você não precisa se esforçar. Você não precisa crescer. É preciso aceitar: há pessoas que simplesmente não querem o seu progresso.

Há outras que podem até querer te ver bem, mas não melhor do que elas. E com essas pessoas você precisa ter cuidado. Você deve se blindar – se vestir de autoconfiança. A autoconfiança, aliás, é um escudo e tanto: é o que te faz feliz com você mesmo, consciente dos seus defeitos e disposto a superá-los, quando possível, e, quando não, aceita-los.

Para essas pessoas, a tristeza alheia é alimento. As palavras são armas letais que vão em cheio na felicidade dos distraídos – por isso, não se distraia. Não aceite críticas cruéis ou falsos abraços. O que não é verdadeiro, não acrescenta e não faz falta. Não ocupe espaço com o que te suga energia, sorriso, vontade.
A parte boa disso tudo é você pode escolher. É que existe o outro lado. Existe a luz e a escuridão. A doçura e a crueldade, o ódio disfarçado de sorriso e o amor que transborda pelos olhos. Existem dois caminhos antagônicos sempre abertos, e você escolhe, diariamente, qual deles quer seguir. Você escolhe a cada abraço, a cada tropeço, a cada oportunidade que a vida te dá de acordar e fazer diferente.

A nossa felicidade depende, em grande parte, das relações que construímos ao longo da vida. Escolha as pessoas que te abraçam e deixam aquela sensação de banho tomado, de alma lavada, de carinho no coração. O mal passará por você o tempo todo, mas sempre dá pra desviar.

Não revide falsidade com mais falsidade. Não deixe que o mal que há nas pessoas transforme o bem que há em você – porque nós somos os responsáveis por quem somos, e quando você assume essa responsabilidade, você entende o que é ser feliz – independente do mal olhado e do mal pensado – você aprende a ser feliz..


Fonte Nathalí Macedo

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Hipertensão: entenda o perigo do excesso de sal na alimentação

Descubra qual é a quantidade ideal de sal que você deve consumir para evitar a hipertensão e previna-se!
O sódio do sal faz o corpo reter mais líquido e aumenta o volume de fluidos nos vasos sanguíneos
A pressão alta é uma doença que atinge 23,3% dos brasileiros, de acordo com uma pesquisa do Ministério da Saúde. E, de todos os fatores que causam a hipertensão, só um não pode ser mudado: o histórico familiar.
Para os outros, como obesidade, sedentarismo, consumo de sal em excesso e de bebidas alcoólicas, a mudança de hábitos é a saída. A prevenção e o controle da doença começam na mesa. Sabe o salzinho que você usa para deixar a comida mais gostosa? É ele mesmo o alvo.
O sal contém uma substância que, em excesso, pode ser uma das causas do aumento de pressão: o sódio. Ele faz o corpo reter mais líquido e aumenta o volume de fluidos nos vasos sanguíneos. É como se você abrisse a torneira de uma mangueira de quintal no máximo. Quanto mais água, mais pressão.
Só que, no corpo humano, o resultado disso são problemas de coração, que matam mais do que câncer e violência. Hoje, no Brasil, a hipertensão é responsável por 40% dos infartos, 80% dos AVCs (acidentes vasculares cerebrais) e 25% dos casos de insuficiência renal que terminam em morte. São bons motivos para evitar ser mais uma vítima da doença.
Reduza o sal sem sofrimento
Quem quer diminuir o sal da comida pode seguir as dicas de Frida Fplavnik, da Sociedade Brasileira de Hipertensão. "Para não sofrer, a pessoa deve reduzir 25% da ingestão diária de sal por um mês. Esse é o tempo que seu paladar leva para se acostumar ao sabor. Vá reduzindo aos poucos até chegar a 5 gramas", diz. Veja as dicas:

· Não deixe o saleiro na mesa.
· Em vez de colocar o sal ao preparar a comida, acrescente depois, direto no prato.
· Use outros temperos, como limão e noz-moscada.
Confira quanto você pode consumir por dia

· 2,5 g ou dois saquinhos e meio de sal: esta é a quantidade mínima de que seu corpo precisa para ter saúde

· 5 g ou colher de sobremesa: isto é o máximo que você deve consumir para evitar a hipertensão

· 12 g ou colher de sopa: isto é o que o brasileiro consome em média
Como converter sódio em sal

Os produtos industrializados são os vilões da nossa dieta. Eles contêm grande quantidade de sal, usado para aumentar o prazo de validade da comida. Mas as embalagens só trazem esse valor em sódio, porque mesmo produtos doces, como refrigerantes, podem ter sódio. Para você não ficar em dúvida, veja como converter as medidas.

Exemplo: um pacote de macarrão instantâneo (80 g) tem 1212,8 mg de sódio.

Aprenda a fazer o cálculo:

É só multiplicar a quantidade de sódio descrita na embalagem por 0,00254. O resultado é a quantidade de sal do produto.

Resultado: A quantidade de sal do produto é de 3,08 g. Ou seja: é mais que 60% de todo sal que pode ser consumido por dia!