terça-feira, 28 de junho de 2011

Prefeito de Apiaí é médico em três cidades

Além da jornada diária na prefeitura, Emilson Couras da Silva trabalharia 54 horas semanais em hospitais da Praia Grande, Eldorado e Iporanga


    Além de administrar a cidade de Apiaí, a 322 km de São Paulo, o prefeito Emilson Couras da Silva (DEM) é médico lotado em unidades públicas de outras três cidades distantes entre si. Em hospitais e postos de saúde, ele soma uma jornada semanal de 54 horas, sem contar que dá expediente diário na prefeitura de Apiaí.
    A quádrupla jornada do prefeito-médico chamou a atenção dos agentes públicos que, por determinação do governador Geraldo Alckmin, fazem um pente-fino nos esquemas de plantões dos hospitais estaduais.
    Questionado, Silva não conseguiu explicar como faz para dar conta de tantos encargos. "Realmente não dá para conciliar tudo, por isso estou me afastando dessas funções (de médico)." Ele afirma que já havia aberto mão do salário de prefeito para ficar com a remuneração referente aos expedientes dados nas outras cidades. Disse ainda que jamais recebeu sem trabalhar.
    De acordo com o Banco de Dados do Sistema Único de Saúde (SUS), do Ministério de Saúde, o prefeito-médico cumpre jornada de 36 horas semanais como clínico-geral no Pronto Socorro Quietude, em Praia Grande, litoral paulista; de 8 horas por semana na Santa Casa de Eldorado; e de 10 horas semanais no Centro de Saúde 3 de Iporanga.
    A cidade mais perto de Apiaí, onde o prefeito reside, é Iporanga, localizada a 40 quilômetros, mas a estrada é de terra. Para dar plantão em Eldorado, o médico prefeito teria de percorrer 125 quilômetros só de ida, sendo 40 deles também em estrada de terra. Já Praia Grande fica ainda mais longe, a 340 quilômetros.
    O prefeito ainda preside o Consórcio Intermunicipal de Saúde do Vale do Ribeira (Consaúde), que coordena os serviços de saúde nos municípios da região.
    Outras acusações. Essa não é a primeira acusação que pesa contra ele. A Câmara Municipal já o acusou de ter usado veículos e outros meios oficiais para atender a compromissos médicos em outras cidades. Silva nega.
    PARA LEMBRAR
    O número envolvidos no suposto esquema de fraudes de plantões médicos e de licitação para a compra de equipamentos cirúrgicos pode chegar a 50. Apenas no Hospital de Sorocaba, os prejuízos somariam R$ 2 milhões. Na semana passada, promotores e policiais informaram ter encontrado, em um armário da Diretoria Regional de Saúde Sorocaba, folhas de ponto assinadas pelo ex-secretário Jorge Pagura. Ele afirma que apenas prestava consultoria para o hospital.
    Fonte: José Maria Tomazela - O Estado de S.Paulo

    Um comentário:

    Slompo - Pedro Henrique Slompo disse...

    Isso todo mundo já sabia (rsrs)